Teaching Reflections “with” Adam Levine (and Camila Torres*)

Some things really touch my heart! And I like to think they also touch my brain. Because as I see it, it is not possible to really learn anything (or in other words, for something to stay in my brain) if it doesn’t also touch my heart.

Being true to that belief, I must conclude that I only succeed doing my job as a teacher when something in our class actually touches my student(s) heart(s). What a high ambition, right? I can’t say that it always happens, but I certainly try every class to bring things that are relevant to each and every one of my partners. Because that’s how I actually see my students – as partners – after all, we’re in this together! And, boy, do they often touch my heart as well?! Today I have just taught a class where I wept a couple of times. It happened as we were working with two songs. In both cases we were talking about the singer’s power to reach people.

And that brings me to the point. The following music video is in my opinion a brilliant demonstration of some very important skills any teacher should have. Of course you could/should enjoy the whole song, but I would like to invite you to see what happens once the song is actually over (minute 4:30). The skills are numbered in the order that they occur, not necessarily in order of importance.

First of all, Adam Levine, the lead singer in Maroon 5, starts by acknowledging that he does not speak Portuguese, which could actually be a natural hindrance as most Brazilians don’t speak (or understand) English. Besides, there are loads of people at the concert, which makes the task at hand all the more difficult, but by having the courage to try, he implies that “We can do this together!”.  This way he starts building rapport (Skill 1).  Then he starts explaining the activity using lots of gestures (Skill 2 – meaning negotiation). He offers a clear model (Skill 3) and asks for some repetitions. Not boring, cold meaningless repetitions of some random sentence about irrelevant or inexistent people, but repetitions that he seems to be singing with all his heart. He shows it first, then does it with the audience and finally lets them do it by themselves. During this last step, not only does he let them work independently, but he rather seems to be enjoying it. I don’t know if we can call it an actual skill, but to me it certainly is essential for a teacher to be engaged and share his students’ achievements.

When working with the second group, which has a little more difficult line, he gives them small remarks that continuously reinforce rapport, encourage them to go on and make the next part of the task clear (“Just that one.” “Real simple!” “Don’t stop!”). Then both groups work together and create a beautiful moment that I’m sure will stick with them all for a very long time, if not forever!

Finally, Adam wraps it all up by saying “Thank you, Brazil! We’ll NEVER, EVER, EVER forget this!” How wonderful is that? The artist being able to share the joy of the moment with his audience and show appreciation. Is that another important skill (4) or what?

I don’t know if this was something he had planned from the get go or just an idea he got in the spirit of the moment, which would make it all the more touching. But it doesn’t really matter, does it? A great lesson plan (another essential thing for a teacher to know how to do! Skill 5) should never stand in the way of an idea that is born out of class synergy.

* Camila Torres is the student whose class I mentioned in the beginning of the post.

Anúncios

Para mim ou para você?

É preciso cuidado ao se expressar sobre os sentimentos, pensamentos e propósitos do outro.

Já dizia Clarice Lispector “Tudo no mundo começou com um sim”. O sim abre portas, liberta, cria possibilidades.

Um bom feedback começa com um sim de quem vai dá-lo. Um sim para o outro, que representa a certeza de que ele pode crescer e mudar. E se cumprir seu objetivo, o feedback termina com um sim de quem o recebeu. Um sim de gratidão pela mensagem recebida e para si mesmo: – “Yes, I can!”

Na minha opinião há três tipos de feedback – o feedback natural, o feedback mal preparado ou mal intencionado e o feedback consciente e construtivo.

O feedback natural é aquele que acontece o tempo todo. Como o ser humano não vive isoladamente, ele constantemente interage com o outro e com o mundo a sua volta. Destas interações surgem momentos de satisfação e de conflito que geram o feedback natural. Uso o termo para me referir àquela reação que as pessoas emitem o tempo todo naturalmente e sem nenhuma reflexão maior.

Um exemplo de feedback natural são as coelhadas que a Mônica dá no Cebolinha. Elas são uma clara mensagem de que ela não gosta daquilo que ele faz, mas não geram nenhuma mudança de comportamento. Há vários outros exemplos, como os xingamentos no trânsito e as opiniões expressas de forma muito sinceras por crianças. Aqui também se encaixam as explosões que temos e bobagens que falamos sem pensar, na hora da raiva. São reações com poucos ou nenhum objetivo concreto.

A segunda categoria é o feedback mal preparado ou mal intencionado. Diferente do feedback natural, ele tem um certo nível de consciência. Ao dar feedback desta forma, a pessoa pode ter uma boa intenção, mas não saber como se expressar de forma a gerar algo positivo no outro. Desta forma, o feedback mal preparado pode ter o mesmo efeito do feedback mal intencionado – confundir, machucar, limitar, desencorajar o outro.

Neste grupo encaixa-se o feedback desesperado, que muitas vezes damos após alguma reflexão em situações de conflito. Às vezes, na hora da raiva pensamos rápido e chegamos a uma conclusão sobre o outro que jogamos em sua cara, achando que aquilo pode lhe ser útil. Nestes casos, se a pessoa não estiver mal intencionada, depois de algum tempo provavelmente enxergará com alguma clareza que aquela não foi a melhor forma de se expressar.

É comum o feedback natural, mal preparado ou mal intencionado falhar, porque geralmente nesses casos  a pessoa que o transmite está no fundo mais focada em seus próprios sentimentos do que no outro. Ela então fala como se estivesse se expressando com toda a consciência, mas a intenção verdadeira não é ajudar o outro e sim colocar para fora algo que a esteja incomodando.

Talvez, mais do que feedback, isso seja um desabafo, uma faxina interna, que pode gerar alívio por ter se livrado de um sentimento negativo ou peso na consciência caso a pessoa tenha alguma preocupação com o outro.

E finalmente chegamos ao bom feedback! Seu poder gerador e transformador é provavelmente maior do que de qualquer outra ferramenta que eu conheça. Seu objetivo é gerar no outro um nível maior de consciência sobre algum aspecto que possa ser melhorado. E eis aqui um ponto chave! O feedback só é útil se fizer referência a algo que possa ser mudado. Porque a segunda, e não menos importante, parte de sua missão é gerar motivação suficiente para arregaçar as mangas e começar a trabalhar o aspecto sobre o qual se passa a ter mais consciência.

Para que ele seja eficiente, é bom que contenha exemplo(s) concreto(s) que expressem com clareza o que precisa ser trabalhado e por que. Além disso, é essencial que contemple instrumentos de trabalho. Um bom feedback não é um retrato perfeito da realidade. É preciso que saibamos escolher nossas batalhas. O tema do feedback precisa ser um desafio possível de ser superado. Se jogarmos na cara do outro uma série de problemas sem solução, provavelmente geraremos mais frustração do que vontade ou força para mudar. Se trabalharmos uma coisa de cada vez, a chance de ela ser bem digerida é muito maior. E a pessoa precisa de tempo para refletir sobre o que foi dito, antes de estabelecer seu plano de ação.

E isso nos leva à terceira característica do bom feedback. Além de se referir a algo claro e concreto, é necessário que ele contenha sugestões que instrumentalizem o outro na sua busca por crescimento. Se nem eu sei como um problema que eu estou visualizando pode ser solucionado, como posso esperar que o outro, que talvez nem enxergue o problema da mesma maneira que eu, possa encontrar uma solução?

E por último, mas não menos importante, é bom lembrar que um feedback equilibrado só pode ser dado em um momento de equilíbrio. Se não estamos conseguindo nem nos apoiar sobre as próprias pernas não será possível darmos palpites sobre o equilíbrio alheio. Neste caso, talvez seja melhor começarmos trabalhando nossas próprias questões.

O maior desafio ao dar feedback é conseguir colocar nossas próprias dores de lado. O feedback pertence a quem recebe e não a quem dá. Seu objetivo deve ser servir e ele só pode ser atingido se for buscado com gentileza.

Saber se um feedback cumpriu ou não o seu papel é muito fácil. Basta observar se quem o recebeu saiu com clareza sobre o que foi dito e com uma agradável sensação de esperança, ainda que saiba que pode precisar trabalhar duro para alcançar o crescimento esperado.

Uma vez ouvi em uma palestra sobre a Construção da Paz de Luis Henrique Beust  do Instituto Anima Mundi três perguntas que devemos nos fazer antes de dizermos qualquer coisa. São elas: É verdadeiro? É útil? É necessário?

Sugiro que elas norteiem aquilo que dizemos ao outro sobre ele mesmo. Nossas palavras podem funcionar como bálsamo ou serem devastadoras. Qual será a sua escolha?

É preciso cuidado ao se expressar sobre os sentimentos, pensamentos e propósitos do outro.

Competir ou Cooperar

Há vários anos venho trabalhando com seleção, treinamento e formação de professores. Muitas vezes o treinamento em si é parte do processo seletivo. Neste caso, ao invés de um momento de aprendizado “leve”, a pessoa está o tempo todo focada na questão da aprovação. Para evitar que se instale um clima de competição, eu sempre começo meus treinamentos avisando aos trainees que eles podem todos ser aprovados e que é importante lembrar que não estão competindo uns contra os outros.

Em um dos treinamentos dos quais participei, a treinadora deu aos participantes, já no começo do primeiro dia, algumas definições tiradas de um dicionário para a palavra cooperar.  A melhor definição em minha opinião era a mais óbvia – operar junto. A partir deste dia, resolvi incluir essa introdução em meus treinamentos, mas expandindo-a de forma a incluir também a definição de competição. Desde então tenho usado em vários momentos uma discussão sobre cooperação e competição. Com o tempo, passei a fazer esse trabalho inclusive em sala de aula com crianças, onde peço que definam a diferença entre uma coisa e a outra. Em uma oportunidade uma criança me respondeu que na competição só um poderia ganhar e na cooperação todos poderiam ser vencedores. Naquele momento, na situação específica daquela sala de aula, aquela era a explicação perfeita.

Naquela sala de aula, o fato de haver um vencedor geraria outros 7 perdedores. Mas e na vida real? É possível sermos todos vencedores? O próprio termo vencedor parece gerar necessariamente um número x de perdedores.

A não ser que lancemos mão de outra perspectiva. Precisamos nos perguntar quem foi o adversário vencido por aqueles a quem a sociedade considera vencedores. Vencemos necessariamente outros indivíduos? A sociedade? A vida? Parece-me que a única maneira de todos podermos vencer ao mesmo tempo é se vencermos apenas a nós mesmos e nossas limitações.

Em quantas situações da nossa vida estamos competindo uns com os outros sem necessidade? A não ser em situações de processo de seleção com vagas limitadas, em quantas situações precisamos realmente competir uns contra os outros enquanto indivíduos? Acho que as pessoas estão precisando se lembrar de que a maior parte das situações que vivemos no dia a dia tem mais em comum com o treinamento que mencionei no começo deste texto do que com uma verdadeira competição. Podemos todos ser aprovados e, se cooperarmos um pouco mais com o todo e uns com os outros, podemos chegar lá mais rapidamente e em um ambiente no mínimo menos hostil.