Competir ou Cooperar

Há vários anos venho trabalhando com seleção, treinamento e formação de professores. Muitas vezes o treinamento em si é parte do processo seletivo. Neste caso, ao invés de um momento de aprendizado “leve”, a pessoa está o tempo todo focada na questão da aprovação. Para evitar que se instale um clima de competição, eu sempre começo meus treinamentos avisando aos trainees que eles podem todos ser aprovados e que é importante lembrar que não estão competindo uns contra os outros.

Em um dos treinamentos dos quais participei, a treinadora deu aos participantes, já no começo do primeiro dia, algumas definições tiradas de um dicionário para a palavra cooperar.  A melhor definição em minha opinião era a mais óbvia – operar junto. A partir deste dia, resolvi incluir essa introdução em meus treinamentos, mas expandindo-a de forma a incluir também a definição de competição. Desde então tenho usado em vários momentos uma discussão sobre cooperação e competição. Com o tempo, passei a fazer esse trabalho inclusive em sala de aula com crianças, onde peço que definam a diferença entre uma coisa e a outra. Em uma oportunidade uma criança me respondeu que na competição só um poderia ganhar e na cooperação todos poderiam ser vencedores. Naquele momento, na situação específica daquela sala de aula, aquela era a explicação perfeita.

Naquela sala de aula, o fato de haver um vencedor geraria outros 7 perdedores. Mas e na vida real? É possível sermos todos vencedores? O próprio termo vencedor parece gerar necessariamente um número x de perdedores.

A não ser que lancemos mão de outra perspectiva. Precisamos nos perguntar quem foi o adversário vencido por aqueles a quem a sociedade considera vencedores. Vencemos necessariamente outros indivíduos? A sociedade? A vida? Parece-me que a única maneira de todos podermos vencer ao mesmo tempo é se vencermos apenas a nós mesmos e nossas limitações.

Em quantas situações da nossa vida estamos competindo uns com os outros sem necessidade? A não ser em situações de processo de seleção com vagas limitadas, em quantas situações precisamos realmente competir uns contra os outros enquanto indivíduos? Acho que as pessoas estão precisando se lembrar de que a maior parte das situações que vivemos no dia a dia tem mais em comum com o treinamento que mencionei no começo deste texto do que com uma verdadeira competição. Podemos todos ser aprovados e, se cooperarmos um pouco mais com o todo e uns com os outros, podemos chegar lá mais rapidamente e em um ambiente no mínimo menos hostil.

Anúncios