Feliz Dia do Flamenguista! (hoje de novo)

Sexta-feira, 28 de outubro foi o dia do flamenguista. Eu estava gripadona e de cama o dia inteiro então tive que comemorar sozinha, deitada no meu sofá. Por isso posto hoje um Feliz Dia do Flamenguista, afinal somos uma nação de 35 milhões e um dia só para todos nós é pouco!

Sobre a Paciência

A paciência é uma virtude sobre a qual penso com freqüência. E geralmente porque gostaria de tê-la mais do que de fato tenho! Há vários tipos de paciência. Olhei no dicionário e encontrei as definições abaixo:

paciência (substantivo feminino)

1. capacidade de suportar males, incômodos e dificuldades com tranquilidade
2. resignação
3. persistência; perseverança

Houve um tempo em que imaginava que ser paciente demais tinha a ver com ter poucas ambições. Talvez por ser muito ansiosa, acabava enxergando paciência demais como indiferença, quase preguiça. Afinal, como ver uma coisa errada e não ter vontade de mudá-la? Naquele momento, a definição que mais se aproximava para mim era a segunda – resignação.

Imagino que seria fácil ter paciência e esperar o resultado daquilo que plantamos se soubéssemos de antemão que a colheita seria segura e farta. Seria muito mais fácil suportar males, incômodos e dificuldades com tranqüilidade, se soubéssemos com toda a certeza que o resultado seria positivo no final. Então na verdade, para mim essa virtude tem a ver com esperança. Ou com persistência e perseverança, como na terceira definição do dicionário.

Eu tenho toda a paciência do mundo com as coisas que acho que só precisam de tempo. Mas, apesar do nome, esperança é muito mais do que apenas a ação ou o resultado de esperar. Enquanto tenho esperança sou ativa, trabalho, planto, cultivo, enfim, dou tudo de mim para que meu objetivo se torne realidade.

Também tenho paciência com aquilo que precisa de esforço pessoal. Se depender do meu trabalho, não há problemas. Sei que comigo posso contar! E em equipe? Ah, no trabalho em equipe essa sensação é mais rica ainda! Todos trabalhando por um objetivo comum, com no mínimo esperança e, por vezes, uma quase certeza de que com nosso trabalho é só uma questão de tempo mesmo até chegarmos lá.

A dificuldade é quando as coisas dependem de fatores sobre os quais não temos influência nenhuma. Há situações que não parecem ser passíveis de mudança. É nesses momentos que temos o grande teste! Devemos ser pacientes e permanecer nessas situações, remando contra a maré? Ou devemos ter coragem, chutar o balde e partir para outra? Pessoalmente, acho ter coragem de largar tudo muito mais fácil! Mas será sempre o melhor?

Costumo dizer que não nasci para ser jogadora de futebol. Admiro muito o fato de um time estar perdendo de uns 3 gols ou mais e continuar correndo até o último minuto. Eu já chutaria o balde, largaria o jogo e pronto! E muitas vezes, perderia oportunidades de viver viradas espetaculares (como essa do vídeo abaixo – vale a penar ver!).

Não posso afirmar que tenha esgotado o tema e chegado a alguma grande conclusão. Acho que vou precisar ter muita paciência ainda antes disso. E espero ter paciência suficiente para não chutar o balde antes de ter certeza de que não há nada ali que eu possa aprender ou ensinar.

Afinal, como disse o pequeno príncipe:

“É preciso que eu suporte duas ou três lagartas, se quiser conhecer as borboletas.”

Ser Flamengo

Ser Flamengo é como se apaixonar. Quando você vê, já aconteceu. É maior que você. Acho que essa é a famosa magia do manto sagrado.

Ser Flamengo é herança de família, é batismo de sangue. Todo rubro-negro é essencialmente um irmão! E é muito bom ser parte de uma nação em um momento em que todo mundo está preso a bairrismos.

Pode parecer ufanismo, mas estou falando sério. Até alguns torcedores de outros times conseguem perceber que o Fla tem algo de diferente, especial. O próprio Nelson Rodrigues, torcedor declarado do Fluminense, escreveu com maestria uma verdadeira ode ao nosso Manto Sagrado e seus efeitos. http://globoesporte.globo.com/platb/arthurmuhlenberg/2009/08/07/flamengo-sessentao-por-nelson-rodrigues/.

É interessante que muito se diz sobre o fato de a torcida do Flamengo ser a maior do Brasil graças ao favorecimento da Rede Globo até os anos 80. Eu me pergunto se o Flamengo era o mais mostrado porque era mais popular, ou se era mais popular porque era o mais mostrado.

De qualquer forma, há pelo menos duas décadas que o marketing do Flamengo não é ajudado por ninguém! Nem pelos próprios dirigentes que deveriam promover o time! O Flamengo tem destaque na mídia, é claro. Mas isso tem mais a ver com a lei de oferta e procura do que com qualquer estratégia inteligente. E a camisa continua exercendo seu poder e fazendo a nação crescer.

O que se vê no Clube de Regatas Flamengo são dirigentes que não conseguem sequer negociar um patrocínio adequado à grandeza do time e sua torcida. O único contrato realmente interessante dos últimos muitos anos foi o da Olympikus.

E isso tudo enquanto jogadores declaradamente flamenguistas desde criancinhas fazem gols que decidem campeonatos, ou geram milhões em patrocínio e até estádios para outros times. Onde estão nossos dirigentes que não aproveitam essas e muitas outras oportunidades? Parece que a única coisa que levam a sério é tentar desvalorizar, ou mesmo denegrir a imagem de nossos ídolos.

A camisa do Flamengo é realmente mágica. Ela consegue sozinha fazer a maior torcida brasileira continuar crescendo, inspira verdadeiros ídolos e conquista o coração de um sem-número de jogadores profissionais que declaram sem medo sua paixão por esse time.

Graças ao nosso Manto Sagrado, a todos esses cartolas nefastos só posso dizer: Eles passarão… E o Flamengo passarinho!

http://www.olympikus.com.br/site/#/videos/HyD89vupWUI